AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA TÉCNICA DE MULCHING EM SOLOS DE REGIÕES SEMI-ARIDAS DE MOÇAMBIQUE

Eunice Cavane, Rogério Borguete, Alberto Nhaca

Resumo


Nas regiões semi-áridas, a distribuição errática e os baixos níveis de precipitação anual aumentam o risco de perda de culturas e a insegurança alimentar das famílias rurais. Este estudo analisou o processo de adopção da técnica de cobertura permanente do solo (ou mulching) disseminada pelos serviços distritais de extensão de Massinga para aumentar a produtividade agrícola. Os dados foram colhidos entre Outubro e Dezembro de 2009, usando uma combinação de métodos de consulta de dados secundários, observação e inquérito à 121 produtores, seleccionados aleatoriamente. Os resultados indicaram uma abordagem de extensão direccionada à treinamentos e provisão de insumos agrícolas. Os produtores possuem um bom conhecimento sobre as características de mulching. Porém, o conhecimento sobre a aplicação correcta de mulching revelou-se insuficiente. Cerca de 50% dos produtores participantes aplicou os resíduos depois da sementeira, o que vai contra as recomendações de cerca de 30% de resíduos na altura da sementeira. A taxa de adopção de mulching foi crescente, de 30% para 90% no período de 2007 a 2009. Entretanto, a adopção foi limitada à produção de hortícolas nas baixas em campos de demonstração de resultados de 500 e 1000 m2. Houve poucos casos de uso de mulching na produção de milho, feijão nhemba e amendoim nas zonas altas e mais propensas à seca. Os serviços de extensão devem considerar a expansão da técnica de mulching às zonas altas. Os dados revelaram existir uma associação positiva e significativa (p< 0,05) entre o uso de mulching e a disponibilidade de alimentos nas famílias.
Palavras-chave: adopção, agricultura de conservação, mulching, região semi-árida

Referências


BIAS, C.; DONOVAN, C. Gaps and Opportunities for Agricultural Sector Development in

Mozambique. 2003. Michigan: DAE/ Michigan State University, 2003. 129p.

BREWER, F. Overview of extension systems throughout the world: public, non-government, private and parastatal extension systems. In: BREWER, F. (ed). Agricultural extension systems: an international perspective. 2001. p. 4-21.

CHALULO, et al. Zero-tillage technology in Mozambique: progress to date and future prospects. In: CHUMA, J. E. et al (ed.). Conservation tillage for sustainable agriculture. Harare, 1998. p. 147-155.

FITZ-GIBBON, T. C.; MORRIS, L. L. How to design a program evaluation. California: SAGE Publications, 1987. 168p.

GEMO, H.; EICHER, C. K.; TECLEMARIAM, S. Mozambique’s experience in building a national extension system. Michigan: Michigan State University, 2005. 128p.

GILLER, K. E. et al. Conservation agriculture and smallholder farming in Africa: the heretic’s view. Elsevier, v. 114, p. 23-34, 2009.

HOEFT, R. G. et al. Modern corn and soybean production. 6. ed. Champaign: MCSP Publications, 2000. 353p.

KNOWLER, D.; BRADSHAW, B. Farmer’s adoption of conservation agriculture: a review and synthesis of recent research. Elsevier, v. 32, p. 25-48, 2007.

FAO. Conservation agriculture. Agriculture and Consumer Protection Department, 2007. Disponivel em: http://www.fao.org/ag/ca/1a.html. Acesso em: 07 de Julho de 2012.

Governo do distrito de Massinga. Plano Estratégico de Desenvolvimento do Distrito de Massinga: 2008-2012. Massinga, 2008. 45p.NHACALE, T. I.; ZANDAMELA, B. C.; MASSINGA, R. Agricultura de conservação em Moçambique. um breve historial. In: _______. Mapeando o caminho para o futuro da agricultura de conservação em Moçambique. Memórias do seminário. Pequenos Libombos, 2006. p. 7-11.

ROCKSTRÖM, J. et al. Conservation farming strategies in east and Southern Africa: yields and rain water productivity from on-farm action research. Elsevier, v. 103, p. 23-32, 2009.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 4.ed New York: Free Press, 2003. 551p.

WEISS, H. C. Evaluation. 2.ed. New Jersey: Prentice Hall, 1998. 372p.


Apontadores

  • Não há apontadores.