A avaliação para a aprendizagem: uma contribuição sobre princípios da sua mediação

Francisco Januário

Resumo


O artigo em referência apresenta e discute os resultados de uma pesquisa longitudinal de intervenção levada a cabo em 2007 e destinada a melhorar as práticas de avaliação usadas pelos professores do ensino secundário geral através de protótipos. Usando uma pesquisa de concepção educacional e com recurso à práticas laboratoriais, o estudo investigou a questão sobre como é que as práticas de avaliação podem ser melhoradas. Para tal, foi seleccionada uma amostra por conveniência de dois professores de Física e seus 62 alunos em duas escolas secundárias, sendo um (1) professor e 24 alunos da Escola Secundária de Mocuba (Zambézia) e um professor e 38 alunos da Escola Secundária Joaquim Chissano, em Gaza. As escolas foram convenientemente seleccionadas e os dados foram recolhidos por meio de entrevistas, questionários, observações na sala de aulas e notas escritas, os quais foram tratados qualitativamente por via de análise de conteúdo (Bardin, 1977) e quantitativamente usando-se o pacote SPSS. O melhoramento das práticas envolveu a concepção, o ensaio na sala de aulas e a avaliação sistemática de uma série de exemplares de materiais de avaliação de Física (protótipos) em experiências de demonstração laboratoriais. Os resultados indicaram que (i) os professores gostaram da apresentação e da estrutura dos protótipos seguindo a estratégia Previsão-Observação-Explicação (POE) e consideraram o seu cometimento pessoal como crucial para o alcance dos resultados experimentais desejados; (ii) os alunos também gostaram da estratégia POE porque permitiu-lhes formular as suas próprias explicações sobre os eventos observados e consideraram o papel do professor durante o ensaio como crucial para o sucesso das experiências. A principal conclusão do estudo é que as práticas laboratoriais de avaliação levadas acabo pelos professores de Física nas escolas secundárias em Moçambique ainda apresentam fraca qualidade, necessitando de uma melhoria, através da concepção e uso de exemplares de materiais de avaliação com potencial para melhorar as práticas de avaliação de desempenho. A contribuição do artigo no campo do conhecimento é expressa em termos da avaliação da aprendizagem - em oposição à mais usada avaliação para a aprendizagem. Portanto, o enfoque é sobre todas as funções de avaliação nomeadamente a diagnóstica, a formativa e a somativa. A contribuição é também atribuída ao desenvolvimento de um pensamento crítico, e a retroalimentação pelos professores e alunos permite que estes desenvolvam uma atitude crítica perante suas acções e interpretem os dados da sua actividade à luz das vivências passadas e da sua experiência e conhecimento.


Referências


AIRASIAN, P.W. Classroom assessment: concepts and application. 4. ed. Boston: McGraw-Hill, 2001.

ARG. Assessment for learning: beyond the black box. Londres: Assessment Reform Group, 1999.

BELL, B.; COWIE, B. Formative assessment and science education. Londres: Kluwer Academic, 2001.

BEREITER, C. Design research for sustained innovation. Bulletin of the Japanese Cognitive Science Society, v. 9, n. 3, p. 321-327, 2002.

BARDIN, L. Análise do conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BLACK, P.; WILLIAM, D. Assessment for learning in the classroom. In: GARDNER. J. (ed.), Assessment and learning. London: Sage, 2006. P. 9-25.

BLACK, P.; WILLIAM, D. Assessment and classroom learning. Assessing in Education: principles, policy and practice, v. 5, n. 1, p. 7-74, 1998.

BLACK, P.; et al. Assessment for learning. putting it into practice. London: Open University Press, 2003.

CHAMPAGNE, A. B.; KLOPFER, L. E.; ANDERSON, J. H. Factors influencing the learning of classical mechanics. American Journal of Physics, v. 48, n. 12, p. 1074-1079, 1980.

CHATTERJI, M. Designing and using tools for educational assessment. Boston: Allyn and Bacon, 2003.

CHEVANE, V. N. V. The impact of two different ways of assessment of the chemistry laboratory classes in the basic science course at the Eduardo Mondlane University. CONFERENCE OF THE SOUTHERN AFRICAN ASSOCIATION FOR RESEARCH IN MATHEMATICS, SCIENCE AND TECHNOLOGY EDUCATION, 10, 2002. Proceedings….[s/l], 2002. P. 9-14.

CLEMENT, J. Students’ perceptions in introductory mechanics. American Journal of Physics, v. 50, n. 1, p. 66-71, 1982.

CRESWELL, J.W. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. 2. ed. Londres: Sage, 2003.

DEKKERS, P.; THIJS, G. A teaching sequence for the ‘force’ concept developed from classroom research on practical work: a strategy for providing means to solve ‘dissonance’. In: EUROPEAN CONFERENCE ON RESEARCH IN SCIENCE EDUCATION, UNIVERSITY OF LEEDS, 2005. Proceedings…, LEEDS, 2005.

DEKKERS, P. J. J. M. Making productive use of student conceptions in Physics education: developing the concept of force through practical work. 1997. Tese (de Doutoramento em Educação) - VU Huisdrukkerij, Amsterdam, 1997.

GAY, L.R.; AIRASIAN, P. Educational research: competencies for analysis and applications. Ohio: Merril Prentice-Hall, 2003.

GOVERNO DE MOÇAMBIQUE. Boletim da República: Regulamento de avaliação do ensino secundário geral. Maputo: Imprensa Nacional, 1996.

JAMES, M. Assessment, teaching and theories of learning. In: GARDNER, J. (ed.), Assessment And Learning. London, Thousand Oaks, 2006. P. 47-60.

JANUÁRIO, F. M. Current and final assessment in Mozambican science education: the case study of lower primary schools. In: SANDERS, M. (ed.), CONFERENCE OF THE SOUTHERN AFRICAN ASSOCIATION FOR RESEARCH IN MATHEMATICS AND SCIENCE, 5, 1997. Proceedings… [s/l], 1997. P. 230-236.

KATHY, H.; BURKE, W. Making formative assessment work: effective practice in the primary classroom. Londres: Open University Press, 2003.

LIN, R. L.; GRONLUND, N. E. Measurement and assessment in teaching. 8. ed. Ohio: Merrill Prentice-Hall, 2000.

McMILLAN, J. H. Essential assessment concepts for teachers and administrators. California: Corwin Press, 2001.

MOÇAMBIQUE. MEC. Plano Curricular do Ensino Secundário Geral (PCESG): documento orientador - objectivos, política, estrutura, plano de estudos e estratégias de implementação. Maputo: INDE, 2007.

MOÇAMBIQUE. MINED. Secondary and Secondary Teacher Education Strategic Plan. Maputo, 2001.

MOÇAMBIQUE. MINED. Plano Estratégico da Educação. Maputo, 1999.

MOÇAMBIQUE. MINED. Programas de Física, 2º Ciclo. Maputo, 1997.

MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. 2. ed. London: Sage, 1994.

MULLER, J. Authentic assessment toolbox. [s/d]. Disponível em: . Acesso em: 27 de Abril de 2006.

MUTIMUCUIO, I. V. Improving students’ understanding of energy: a study of the conceptual development of Mozambican first-year university students, 1998. Thesis (PhD in Education) - VU Huisdrukkerij, Amsterdam, 1998.

PLOMP, T. Educational design research: a research approach to address complex problems in educational practice. In: INTERNATIONAL FORUM ON EDUCATIONAL TECHNOLOGY, 50, 2006. Proceedings… Wuhan, 2006, p. 29-30.

POPHAM, W. J. Classroom assessment: what teachers need to know. 3 ed. Allyn and Bacon, 2002.

RACE, P.; BROWN, S.; SMITH, B. 500 tips on assessment. 2 ed. London: Routledge Falmer, 2005.

SYKES, G. Teacher and student learning: strengthening their connection. In: DARLING-HAMMOND, L; SYKES, G. (eds.), Teaching as the learning profession: handbook of policy and practice. São Francisco: Jossey-bass, 1999. P. 151-179.

TAMIR, P. Practical work in school science: an analysis of current practice. In: WOOLNOUTH, B. E (ed.). Pratical Science. Milton Keynes: Open University Press, 1991. P.13-20.

TESSMER, M. Planning and conducting formative evaluations. London: Kogan Page, 1993.

THIJS, G. Conceptions of force and movement. In: NOVAK, J. D. (ed.). Proceedings of the second international seminar on misconceptions and educational strategies in science and mathematics. Nova York.: Cornell University, 1987. p. 501-513.

VAN DEN AKKER, J. Curriculum perspectives: an introduction. In: AKKER, J. V. D.; KUIPER, W.; HAMEYER, U. (eds.), Curriculum landscapes and trends. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2003. p. 1-10.

VAN DEN BERD, E.; GIDDINGS, G. An alternative view of laboratory teaching. Bentley: Curtin University, 1992.

WIGGINS, G. P. Assessing student performance. São Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1993.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .